Metodologia DevOps: o que é e como adotá-lo na prática

10/08/18

Todo profissional da área de TI em um momento ou outro já ouviu falar em DevOps. De uma maneira geral, ele está relacionado a um ambiente de trabalho onde os processos são otimizados, onde as equipes de desenvolvimento e operação atuam de forma mais integrada, melhorando substancialmente a entrega do seu produto ou serviço para seus clientes.

Apesar de bastante discutido e conhecido, o conceito de DevOps ainda confunde muita gente. Em diversos casos, não há consenso sobre a sua natureza: seria ele uma metodologia, um conjunto de práticas, uma fórmula que pode ser aplicada a qualquer empresa e trazer resultados instantâneos? Ou algo mais conceitual, como uma nova forma de pensar e encarar os desafios do dia a dia?

Uma coisa é certa: o grande papel do DevOps dentro das organizações é tornar as entregas do setor de TI mais ágeis. Para entender exatamente como ele funciona, o que de fato significa e como você pode aplicá-lo dentro da sua empresa, vamos nos aprofundar na sua definição e desvendar seu significado.


O conceito de DevOps

O termo DevOps vem da junção de duas palavras da língua inglesa: “development” (desenvolvimento) e “operations” (operações). Esse “desenvolvimento de operações” diz respeito à unificação das atividades de desenvolvimento de software (Dev) com a operação de software (Ops) para melhorar o resultado do trabalho de uma maneira geral.

Seu surgimento aconteceu em 2009, juntamente com outras metodologias e pensamentos que mudaram a área do desenvolvimento de software, como Agile, Lean, entre outras. Com ideias aparecendo de todos os lados e processos sendo revistos, os profissionais da área começaram a fugir cada vez mais do modelo cascata de desenvolvimento e buscar um estilo que promovesse um ciclo contínuo. Enquanto isso, porém, o lado da operação continuava a realizar suas atividades no mesmo modelo antigo.

Assim, unificando os dois lados, o de desenvolvimento e operação, o compartilhamento de responsabilidades e confiança dentro de um projeto começou a ser colocado em prática, resultando na tão desejada integração.

Então, o que é DevOps? Podemos dizer que mais do que um mero conjunto de práticas ou atividades ele é uma verdadeira cultura, uma filosofia que oferece uma nova forma de enxergar o trabalho entre desenvolvedores e administradores da infra de TI. Entre seus principais objetivos, podemos citar:

Defesa pela automação dos processos.
Monitoramento de todas as etapas de desenvolvimento de software.
Ciclos de desenvolvimento menores.
Aumento na frequência de implantação.
Mais segurança nas liberações.
Resultados mais alinhados com o objetivo do negócio.

Vantagens do DevOps

De uma forma geral, podemos dizer que a grande vantagem na utilização da metodologia DevOps é a sua capacidade de facilitar o gerenciamento de lançamento de novas versões ao mesmo tempo em que os ambientes de desenvolvimento são padronizados. Na prática, isso resulta em ganhos significativos na eficiência operacional, na redução de custos relacionados a TI, melhorias na comunicação entre as equipes e, por fim, clientes muito mais satisfeitos.

Entre as principais vantagens do DevOps, se destacam:

Simplificação de processos

O DevOps diminui o caminho entre o desenvolvimento de produto e uma entrega de alto desempenho. Graças a práticas como a reutilização de módulos de software, à flexibilidade nos projetos e a diminuição nos esforços de entrega, os fluxos de trabalho são mais ágeis e custam menos.

Áreas mais integradas

A integração das áreas é uma das maiores vantagens da metodologia e isso não se resume à área de TI. Os gestores, administradores e também os clientes possuem um canal de comunicação mais aberto que favorece a otimização dos negócios, pois permite a troca de informações.

Entregas melhores e mais frequentes

A cultura de trabalho integrada favorece promove um aumento na qualidade do desempenho das entregas. Através da colaboração entre os profissionais e as áreas envolvidas no desenvolvimento, as repostas são atingidas mais rapidamente e as soluções são melhores alinhadas com o objetivo final.

Tarefas automatizadas

Uma série de atividades realizadas pela equipe de TI passa a ser automatizada, como por exemplo, os deploys manuais. Com isso, os profissionais podem se dedicar a outras funções que favorecem o bom andamento do projeto, como a documentação e a análise de erros, gerando um sistema de melhoria contínua.

Escalabilidade e elasticidade

A natureza do DevOps permite que fornecedores de recursos em nuvem que trabalham com a oferta de infraestrutura e inteligência possuam mais capacidade de adaptação. Com isso, o cliente tem a possibilidade de contratar apenas soluções específicas para sua necessidade ao invés de investir em sistemas enormes que acabam desperdiçando seu tempo e dinheiro.

Como adotar o DevOps na prática

Por se tratar de uma cultura de colaboração, o DevOps não possui uma fórmula pronta para a sua adoção. O que deve ser feito é um olhar geral sobre toda a estrutura organizacional da empresa e começar a implantar seus princípios. Para facilitar esse processo, separamos algumas dicas:

1. Integre desenvolvimento e TI

Integração é a palavra-chave na adoção de DevOps. Os setores responsáveis pelo desenvolvimento e pela operação devem ser reunidos para a criação de um planejamento colaborativo. O principal objetivo é promover a entrega contínua através de pacotes menores e em maior frequência. Lembre-se de envolver todos os profissionais no planejamento para definir um fluxo produtivo mais eficiente.

2. Padronize ambientes

Promovida a integração, você precisa garantir que ambos os lados falem a mesma língua. O caminho para isso é a padronização de ambientes. Os dois lados precisam compartilhar dos mesmos protocolos, documentação e também dos métodos de monitoramento, análise e ajuste.

3. Promova uma gestão inteligente

Uma das principais marcas do DevOps é a flexibilidade. Por isso, a organização dos processos é fundamental para uma boa gestão de TI. A melhor maneira de conseguir controlar todos os profissionais e etapas envolvidos é através de ferramentas inteligentes, como os quadros do Scrum, para organizar o andamento das etapas e definir prioridades.

4. Estabeleça métricas e metas

A única forma de fazer uma implantação bem-sucedida de DevOps é com um monitoramento eficiente. Para isso, será necessário estabelecer metas relacionadas à frequência de entrega e também à velocidade de resposta. O passo seguinte é a criação de métricas para mensurar o desempenho da equipe. O DevOps não possui KPIs definidos, mais alguns dos mais comuns incluem:

Taxas de erros.
Velocidade de verificação do software.
Frequência e velocidade de deployment.
Média de tempo para restauração de serviço.
Ciclo de vida do desenvolvimento, desde o início até a entrega.

O DevOps é uma excelente forma de reduzir a burocracia dos seus processos internos, integrar setores e conseguir melhorar o desempenho de suas entregas. Mas, por se tratar justamente de uma cultura, sua implementação depende muito mais da visão e da abordagem do gestor do que de um conjunto pré-definido de regras a serem adotadas. Algo que só é possível com muita pesquisa e planejamento.

E se você quiser conhecer outras tendências que estão inovando a gestão e a atuação das Softwares Houses, leia nosso e-book “Tendências para Software House em 2018”. Baixe gratuitamente.